Há chance real de uma intervenção militar no Brasil?

29/06/2018

Uma ação das Forças Armadas seria legal, quais as chances de isso ocorrer, o que aconteceria com o país nessa hipótese e o que está por trás do apoio que esse tipo de ideia encontra em parcela da população.

O general do Exército Antonio Hamilton Martins Mourão provocou enorme polêmica ao defender a possibilidade de intervenção militar no país para conter a corrupção caso as instituições políticas não consigam resolver a situação. “Ou as instituições solucionam o problema político, pela ação do Judiciário, retirando da vida pública esses elementos envolvidos em todos os ilícitos, ou então nós teremos que impor isso”, disse Mourão em palestra realizada na noite de sexta-feira (15), na Loja Maçônica Grande Oriente, em Brasília.

Diante da repercussão, a Gazeta do Povo foi atrás de respostas para cinco questões sobre o tema: a intervenção militar é constitucionalmente possível; existe a possibilidade real de ela ocorrer na prática; o que está por trás do apoio de parcela da população a essa ideia; e o que poderia ocorrer se os militares tomassem o poder?

1) A Constituição prevê possibilidade de intervenção militar “constitucional”?

Sim, mas não para tirar os políticos do poder com o objetivo de “limpar” o país da corrupção. Isso seria um golpe de Estado.

A Constituição Federal prevê, nos artigos 15 e 142, que as Forças Armadas podem ser acionadas, pelo presidente da República a pedido de qualquer um dos três poderes, para garantir a lei e a ordem. A Constituição não estabelece quais seriam essas situações, mas há certo consenso de que se trata de casos de segurança pública, graves distúrbios e ameaça externa.

LEIA MAIS: Greve dos caminhoneiros: Governo planeja uso do Exército para liberar estradas

Esses artigos constitucionais costumam ser citados por defensores de uma intervenção política dos militares como argumento para justificar que a tomada de poder pelas Forças Armadas teria base constitucional. Não tem. Além de a Constituição prever que o comando continua a ser dos civis nesses casos, é preciso destacar que Exército, Marinha e Aeronáutica só podem ser acionados para garantir a ordem constitucional – e não para subvertê-la.

A Constituição também estabelece, no artigo 5.º, que é crime inafiançável a ação de militares contra a ordem constitucional e a democracia.

LEIA MAIS: Bolsonaro defende general que falou em intervenção militar: ‘é liberdade de expressão’

2) Existe a possibilidade real de ocorrer um golpe militar no país?

Em princípio, não há possibilidade iminente. Mas há alguns elementos que sugerem que alguma chance existe e não é mera teoria da conspiração.

O comandante do Exército, general Eduardo Villas Bôas, foi enfático ao negar a possibilidade de haver articulação ou desejo na corporação de intervenção no país. “Desde 1985 não somos responsáveis por turbulência na vida nacional e assim vai prosseguir. Além disso, o emprego nosso será sempre por iniciativa de um dos poderes [Executivo, Legislativo ou Judiciário]”, afirmou.

Apesar disso, uma declaração do general Mourão insinua que o discurso oficial não é exatamente o que pensa o comando. Ele disse que o Exército tem “planejamentos muito bem feitos” para uma intervenção no país.

Além disso, praticamente todos os presidentes posteriores à ditadura trataram os militares (e seus interesses) com muita cautela – o que demonstra certo receio em desagradar a caserna. A reforma da Previdência proposta pelo presidente Michel Temer, por exemplo, excluiu os militares.

3) Qual a representatividade do general Mourão no Exército?

O general Mourão ocupa um cargo importante. Desde 2015, é secretário de economia e finanças do Exército. Mas ele tem um perfil de polemista que desagrada diversos outros oficiais.


Sorry, the video player failed to load.(Error Code: 101104)

Sua transferência para a função atual, mais burocrática do que operacional, já havia ocorrido porque ele se envolveu em outra polêmica política. Quando ocupava o Comando Militar do Sul, criticou a então presidente Dilma Rousseff ao ser questionado sobre o impeachment. Disse, à época, que “a mera substituição da presidente da República não trará mudança significativa no status quo” e que “a vantagem da mudança seria o descarte da incompetência, má gestão e corrupção”. Além disso, promoveu uma homenagem póstuma ao coronel Brilhante Ustra, condenado pela Justiça por tortura durante o regime militar

VEJA TAMBÉM: Quem é o general Mourão, que falou em intervenção militar no país

4) Os militares, na hipótese de voltarem ao poder, “consertariam” o país?

Qualquer afirmação seria mera futurologia. Em geral, imagina-se que os generais tenham um alinhamento com a direita. Mas não se sabe exatamente qual seria o projeto político dos comandantes das Forças Armadas para o país: o que pensam sobre economia, investimentos sociais, nem mesmo o que fariam para “acabar” com a corrupção e para tirar o país da crise política.

Apesar disso, é possível especular, com boa dose de base factual, que a “intervenção saneadora” dos militares iria acirrar a crise política, com possíveis efeitos na economia. Os oposicionistas denunciariam o golpe e trabalhariam para restabelecer a ordem constitucional. Greves poderiam ser deflagradas.

Isso só não iria ocorrer se houvesse repressão. E, nesse caso, o custo de supostamente “consertar” o país seria levar a nação a uma ditadura. E, como ocorreu após 1964, o acirramento do regime poderia levar o país a um conflito armado interno.

Além disso, o governo militar, para ter um mínimo de estabilidade, também teria de estabelecer alianças com segmentos da sociedade, inclusive com lideranças políticas – o que derrubaria o argumento de que as Forças Armadas iriam “limpar” o país dos políticos. A ditadura militar, por exemplo, fechou essas alianças. Inclusive com políticos que se envolveram em suspeitas de corrupção – Paulo Maluf é um exemplo.

Também é improvável que um regime militar conseguisse acabar com a corrupção – no máximo iria conseguir diminuí-la. É preciso lembrar que também houve casos de corrupção no período da ditadura que vieram a público apesar da censura que existia à época.

LEIA TAMBÉM: Uma breve história da corrupção no Brasil, da Colônia aos dias de hoje. Passando, é claro, pela ditadura militar

Dentre os defensores da ideia da intervenção militar há quem pregue a necessidade de as Forças Armadas tomarem o poder para sanear o país rapidamente e, para logo depois, devolver o governo aos civis. O golpe de 1964 começou com esse discurso. E os militares só entregaram o poder aos políticos em 1985. E o Brasil que teve de ser administrado pelos civis estava em péssima situação econômica, com inflação alta e dívida externa crescente. E a corrupção não havia acabado.

5) Por que tanta gente fala na volta do militarismo no Brasil?

Em períodos de crise política, o discurso de que é preciso restaurar a ordem fica mais forte. E as Forças Armadas, por sua própria característica, altamente hierarquizada, representam para muitos a ordem institucionalizada. Os militares também têm a função de defender o país dos inimigos externos, o que lhes garante a percepção de que estão dispostos a “morrer” pela nação.

Além disso, ao contrário dos políticos, eles não são alvo de denúncias de corrupção rotineiras. Por fim, também há no imaginário de determinada parcela da população a ideia de que no período da ditadura militar (1964-1985) havia ordem e o país funcionava. E de que hoje o Brasil está uma “bagunça”.

Todos esses fatores somados explicam a confiança que uma parcela expressiva da população deposita nas Forças Armadas. Pesquisa do Datafolha divulgada em junho mostra que 40% dos brasileiros confiam muito nos militares e 43% confiam um pouco, contra apenas 15% que não confiam (2% não souberam responder). O Congresso, comparativamente, não tem a confiança de 65% da população; 31% confiam um pouco e apenas 3% confiam muito no Legislativo.

Levantamento do Instituto Paraná Pesquisas divulgado no início de setembro mostra outra faceta dessa confiança: 64,7% dos brasileiros acreditam que a corrupção nas Forças Armadas é menor do que nos outros órgãos de governo.

43% dos brasileiros defendem intervenção militar. Apoio é maior entre

29/06/2018

Quatro em cada dez brasileiros são favoráveis a uma ação das Forças Armadas para resolver a crise política, segundo sondagem da Paraná Pesquisas

Uma sondagem divulgada nesta quinta-feira (28) pelo Instituto Paraná Pesquisas revelou que 43,1% dos brasileiros são a favor de uma intervenção militar provisória no Brasil. A pesquisa foi realizada entre segunda-feira (25) e quinta-feira (28), uma semana depois de o general do Exército da ativa Antônio Hamilton Martins Mourão defender uma ação das Forças Armadas para resolver a crise política no país.

Grupo de caminhoneiros ignora acordo e pede intervenção militar na Pau

29/06/2018

Cerca de 20 caminhões somaram-se a ato que defende a saída de Michel Temer e uma solução autoritária para o País.

Ato  

Os caminhoneiros encontraram-se com um grupo de menos de 100 manifestantes.

Após o governo anunciar medidas para atender às demandas dos caminhoneiros, a Associação Brasileira dos Caminhoneiros (Abcam), principal grupo à frente das manifestações da categoria, defendeu que os motoristas retomassem suas atividades nesta segunda-feira 28.

Uma parte relevante deles tem se negado, porém, a interromper a paralisação, especialmente aqueles que defendem uma intervenção militar no País.

Na tarde desta segunda 28, cerca de 20 caminhões, a maior parte de transporte de geradores, veio à avenida Paulista somar-se a um ato que defende a saída de Michel Temer e pede a ascensão dos militares ao poder. Alguns dos veículos estampavam faixas a pedir uma intervenção no País.

Leia também:
Quem apoia Pedro Parente e quem quer sua demissão?
Temer cede, mas caminhoneiros não voltam ao trabalho

Os veículos encontraram-se com cerca de 100 manifestantes reunidos no Masp que também defendem uma solução autoritária para o País. Mais cedo, a avenida também sediou um protesto de vans escolares.

Caminhões 

Os pedidos de caminhoneiros por intervenção militar se tornaram frequentes em grupos de Whatsapp e em bloqueios espalhados pelo País. Após o governo anunciar as medidas que atendem às demandas de entidades como a Abcam, diversos motoristas se manifestaram em mensagens de celular que suas exigências não foram atendidas e passaram a clamar pelos militares.

Defendida por alguns autônomos, a pauta autoritária não é uma orientação das principais entidades que lideraram o movimento. Em nota publicada no domingo 27, José da Fonseca Lopes, presidente da Abcam, afirmou que o pedido "está equivocado e não será o remédio apropriado para a nossa situação".

Na nota, o presidente da Abcam demonstra preocupação com o fato de "a maioria dos participantes dessa grande e única manifestação" defenderem uma solução autoritária para o País e se diz "assustado com essa posição".

Segundo ele, uma intervenção militar levaria "os mesmos personagens" a continuarem no poder. "Penso que o povo quer mudar justamente isso, tirar esses hipócritas do poder". Ele afirma ainda que as forças armadas intervirão se necessário, mas a pedido de Temer. "É isso que estamos querendo?"

Aplicativos


 Locutor no Ar

DJ Leo

Flashback

14:30 - 15:30

Peça Sua Música

Name:
E-mail:
Seu Pedido:


Top 5

01.

MN - TELECOM

Chiclete

02.

Ivan Vicente

Aventuras de Amor

03.

Carlo Gill

Passarás

04.

Banda Resgate de Ritmo

Não Deixe A Maca Cair

05.

Paco Fonseca

Rogério

Anunciantes